IGESDF reduz em 48% o tempo de permanência dos pacientes no HRSM


Publicado em: 18 de novembro de 2019

Com a nova gestão, hospital aumentou em 30% o número de atendimentos e de internações e a taxa de ocupação hospitalar, no mês de outubro, foi de 156% –

O Hospital de Santa Maria, depois de administrado pelo IGESDF, reduziu em 48% o tempo de permanência dos pacientes, em todos os setores da unidade hospitalar, e aumentou em 30% o número de atendimentos e de internações na comparação entre o mês de outubro e o de junho deste ano. A taxa de ocupação hospitalar foi de 156,9% no mês de outubro e de 113,9% no mês de junho, no HRSM.

A gerente de Regulação do hospital, Verônica Prado Miranda (foto acima), ressalta que “os pacientes da unidade passaram a esperar um período de dias menor por leitos nas clínicas do HRSM, melhorando o giro de leitos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI)”.  Os dados foram apresentados pela gerente durante reunião da Diretoria do IGESDF para avaliar a regulação interna de leitos gerais de cada unidade (hospitais e UPAs), as ações realizadas para melhoria no tempo de permanência, giro de leitos e taxa de ocupação em enfermaria e UTI.

Além das melhorias proporcionadas pelo IGESDF, desde a sua criação, como contratação de profissionais de saúde, reformas das unidades e compra de equipamentos, a gerente Verônica Prado Miranda destaca também a implantação da plataforma de ronda diária com visualização em tempo real dos leitos ocupados, livres e bloqueados, como fator importante para a melhoria alcançada no atendimento à população no Hospital de Santa Maria.

A gerente ressalta também a implantação do Núcleo Interno de Regulação, que se reúne quatro vezes na semana visando uma assistência precisa aos pacientes e um índice maior de desospitalização, bem como a avaliação permanente de todas as clínicas e Pronto-Socorro para diminuir o tempo de permanência. Além disso, a avaliação de prontuários para desospitalização, liberação de leitos das clínicas para UTIs e Pronto-Socorro no período da manhã e implantação de um grupo de higienização para agilizar a limpeza dos leitos.

Para o presidente do instituto Francisco Araújo todo esse esforço visa melhorar o atendimento à população com soluções de gestão. “Nosso papel é dotar a estrutura de mecanismos de gestão que proporcionem melhorias no atendimento através de processos inovadores nas unidades envolvendo todas as equipes, tanto de apoio quanto de assistência. Essa sinergia gera resultados, e tanto os usuários quanto os profissionais de saúde são beneficiados”, explicou Francisco.

 

Texto: José Carlos Camapum Barroso/IGESDF

Fotos: Davidyson Damasceno/IGESDF

Não deixe de compartilhar: