Hospitais
Upas

Pesquisa e Inovação

Estudo Park-Picu

Título: Estudo sobre a prevalência de reabilitação aguda em crianças de Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica (PARK-PICU)

 

Pesquisadora responsável: Agda Ultra de Aguiar.

Status: Finalizado

 

Para a sociedade: Os avanços médicos e tecnológicos resultaram em uma maior sobrevivência das crianças criticamente doentes. Infelizmente, essa diminuição das mortes é frequentemente acompanhada por aumento da morbidade (sequelas) para esses pacientes jovens. Novos estudos sugerem que há morbidades físicas, cognitivas (intelectuais) e psiquiátricas significativas e persistentes entre sobreviventes adultos e pediátricos de doenças críticas, levando a prejuízo da independêcia e funcionalidade destas crianças, e consequentemente uma piora da qualidade de vida.

Embora os dados em pesquisas em adultos sugiram benefício mobilização precoce (exemplo: fisioterapia no leito, estímulo à deambulação) na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), a cultura internacional em Unidades de Terapia Intensiva Pediátrica (UTIP) em maioria cursam com imobilidade devido à preocupação com a segurança, utilizando sedações em doses elevadas e restrições físicas. Para a criação de ensaios clínicos para investigar os potenciais benefícios da mobilização precoce em crianças criticamente graves, é crucial o melhor entendimento e caracterização da situação atual de reabilitação e mobilização nas UTIPs em nível nacional, o que permanece desconhecido.

 

Para o pesquisador: Trata-se de um estudo transversal de prevalência, que tem como objetivo caracterizar a prevalência e as características da mobilidade física/reabilitação como parte do atendimento de rotina de crianças criticamente doentes em UTIPs no Brasil. Foi realizado em 2 dias (primeiro dia em agosto / setembro de 2018 e o segundo dia em novembro /dezembro de 2018. Estas duas datas serão escolhidas de forma aleatória e terão no mínimo 8 semanas de intervalo. Foram inscritos mais de 50 locais e a coleta dados de > 500 pacientes nos dois dias do estudo de prevalência.

Compartilhe: