Artigo – A saúde pública é de todos nós


Publicado em: 08 de maio de 2019

O trabalho de reestruturação da saúde pública do Distrito Federal, não é e não pode ser um movimento apenas do governo. Tem que ser um movimento com a participação de toda a sociedade.

Temos que somar esforços, contribuir com o que for possível para mudar de maneira sustentável e definitiva essa realidade perversa, que via a pessoa como um número e não como um ser humano. A verdadeira transformação que estamos construindo na saúde passa por uma mudança cultural. Onde a humanização é o foco principal.

Todos, mesmo os que têm planos privados de saúde, precisam da saúde pública em algum momento da vida. Quando se acidenta nas ruas, nas estradas, em casa ou em qualquer situação, é no pronto socorro publico que você é assistido.

Quando você precisa de um tratamento de alto custo é a saúde pública que viabiliza. Seja você um cidadão comum ou um alto empresário, a saúde publica não distingue ninguém. O SAMU é um grande exemplo, atende à todos, conduz para os hospitais e não pergunta quem é você. É assim que tem que ser e, é para ser assim, em todo o sistema, que estamos trabalhando todos os dias à frente dos dois órgãos gestores da saúde do DF: A Secretária de Saúde – SES e o Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal – Iges-DF.

A SES e o Iges-DF se complementam e atuam em sintonia para superar gargalos e cumprir suas atribuições. A reestruturação é um trabalho continuo e que começa a dar frutos em médio e longo prazo.

Ao entrar no 5º mês de governo já contabilizamos avanços significativos, mas ainda temos um longo caminho a percorrer.

A SES esta reestruturando a atenção primária, colocando para funcionar as Unidades Básicas de Saúde – UBS. São as UBS e suas equipes de saúde da família que atuam na prevenção e no atendimento da maioria dos casos que superlotam as UPAs e pronto atendimentos dos hospitais. Está, também, regularizando o abastecimento de insumos e medicamentos e fazendo reformas pontuais hospitais.

As UBS são a porta de entrada das pessoas no serviço de saúde. E essa porta tem que estar sempre aberta para acolher todos que precisam de saúde pública. Uma vez atendida na UBS a pessoa, se necessário, será encaminhada para exames ou unidades referenciadas no seu território.

Já o Iges-DF está ampliando seu modelo de gestão que, além do Hospital de Base agora vai gerir as seis UPAs existentes no DF e mais o Hospital Regional de Santa Maria – HRSM.

Nos próximos dias a expansão desse modelo estará consolidada com a conclusão do processo de contratualização e, portanto, com todas as responsabilidades legais sobre patrimônio e recursos humanos devidamente concluídas. Alem de reformar e equipar as UPAs, o Iges-DF vai contratar médicos, enfermeiros e demais profissionais de saúde para suprir a carência hoje existente nas Unidades de Pronto Atendimento.

Esse mesmo movimento será feito com o HRSM.

Não se constrói igreja pela cruz, nem se vence uma partida de futebol sem que todos os elementos que compõem o time joguem com o mesmo objetivo.

Por tudo isso, sindicatos, associações, voluntários, trabalhadores da saúde, empresários, políticos, gestores e toda a comunidade, precisam jogar o mesmo jogo, juntos e vencer todos os obstáculos que ainda restam para alcançarmos uma saúde publica de qualidade para todos.

Reestruturar a saúde é uma tarefa de todos. E quem trabalha unido, vence unido.

O trabalho é conjunto e a vitoria pertence a toda sociedade.

Afinal de contas, a saúde pública é de todos nós!

Por Francisco Araújo

Diretor-presidente do Iges-DF

Não deixe de compartilhar: