Hospital de Base possui 68 leitos de UTI, todos em funcionamento


11/04/2019 - 14h18

Pacientes contam com ações de humanização feitas cotidianamente pelas equipes multiprofissionais

O Hospital de Base conta com 68 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), todos em pleno funcionamento. São 20 vagas para trauma, 20 para a unidade cirúrgica, 12 para pediatria, oito destinadas à unidade coronária e oito gerais.  A assistência é prestada por equipe multiprofissional composta por médicos, enfermeiros, nutricionistas, fisioterapeutas, psicólogos, técnicos de enfermagem, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacional e assistente social.

Os cuidados envolvem a alimentação, a higiene, e a administração de medicação, além de outros procedimentos. Mas os profissionais não param por aí. Eles fazem terapias para o corpo e para a mente.

“Os nossos pacientes chegam muito graves e necessitam de atenção maior. Para aqueles que estão conscientes e em condições clínicas, fazemos aniversários e outras ações visando à parte emocional”, disse a enfermeira líder da UTI Adulto, Luana Camaro, ao destacar que é fundamental humanizar o atendimento.

Segundo ela, essas ações fortalecem a parte emocional. “Essas são atitudes que ajudam a romper a barreiras de dor e a trazer felicidade. O paciente tem de volta a esperança de ter a saúde restabelecida e vai voltar para casa para retomar a vida”, disse.

Na UTI Coronariana do Hospital de Base, uma paciente ganhou festa de aniversário para comemorar os 75 anos. “O atendimento aqui é maravilhoso. Não existe hospital público melhor do que esse. A limpeza, a alimentação e a atenção dos profissionais são muito bons. Eu não imaginava que existisse um hospital público igual a esse”, disse Osvaldina Diniz.

Uma criança de 13 anos também conta, em uma cartinha entregue à equipe, ter passado dias felizes no Hospital de Base, inclusive, chegou a assistir filmes durante o tratamento. “…como não posso dar um presente a vocês, aceitem isso como uma prova do meu amor”, disse Gabriel Anselmo.

“É fundamental que as crianças tenham atendimento humanizado e atividades lúdicas, porque elas se recuperam muito mais rápidos. Aqui, também permitimos o acompanhamento dos pais durante 24 horas, o que também contribui para a desospitalização mais rápida”, concluiu a supervisora de enfermagem da UTI Pediátrica, Renata Torres.

Texto: Ailane Silva/Iges-DF

Fotos: Lúcio Távora/Iges-DF