IGESDF cria Comitê de Combate ao Coronavírus


27/02/2020 - 18h25

Grupo foi instituído, após confirmação do primeiro caso da doença no Brasil, para monitorar e planejar medidas a serem tomadas caso a doença chegue ao Distrito Federal – 

O Comitê de Combate ao Coronavírus (COVID-19) foi criado pelo Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (IGESDF), nesta terça-feira (27/2), após a confirmação ontem (26) do primeiro caso da doença no Brasil e na América Latina, registrado em São Paulo, sendo a vítima um homem de 61 anos que fez viagem à Itália.

O grupo foi instalado para elaborar e executar planos de contingência, bem como ações rápidas em caso de ocorrência da doença no Distrito Federal. Além disso, tem como objetivo monitorar, avaliar e definir atividades necessárias ao combate da doença.

“O IGESDF está preparado com todos os insumos necessários, bem como equipes altamente capacitadas para atuar frente ao surgimento de casos de Coronavírus no Distrito Federal. Temos um plano de contingência e, agora, estamos ativando esse comitê com profissionais para monitorar e atuar de maneira rápida caso seja necessário”, ressaltou o diretor-presidente do IGESDF, Francisco Araújo.

Com as medidas tomadas ao longo de um ano de gestão pelo IGESDF, o Hospital de Base está em condições, neste momento, de estruturar dois quartos de isolamento com pressão negativa no 10º andar, no prazo de aproximadamente duas semanas. Outras medidas estão sendo tomadas para implantação desse tipo de isolamento em outros andares do Hospital de Base.

PRESSÃO NEGATIVA – Os quartos de isolamento com pressão negativa têm a finalidade de evitar contaminações em doenças respiratórias no âmbito interno, ou seja, dentro da própria sala, e também de evitar a propagação de microrganismos, por meio de correntes de ar, para o ambiente hospitalar, reduzindo, assim os riscos de contaminação para pacientes e profissionais de saúde.

O vice-presidente do IGESDF, Sérgio Costa, explicou que, na prática, o Hospital de Base poderá receber pacientes com suspeita de Coronovírus imunossuprimidos, por exemplo, aqueles que têm câncer ou Síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS), ou seja, quadros clínicos de maior debilidade.

“Vamos atender pacientes que tem baixa resposta de imunidade, porque os quartos com pressão negativa evitam que essas pessoas tenham outras contaminações, evitando o agravamento do quadro clínico”, ressaltou Sérgio Costa.

PALESTRAS EDUCATIVAS – Ele lembrou que o IGESDF já vinha atuando com a realização de palestras educativas e informativas sobre o Coronavírus, no Hospital de Base e no Hospital de Santa Maria, já se preparando para o aparecimento de algum caso no Brasil, além de campanhas nas redes sociais do instituto.

O vice-presidente reforçou todas as unidades pertencentes ao IGESDF estão abastecidas com os insumos necessários para atendimentos de casos confirmados ou suspeitos relacionados ao COVID-19. Ao mesmo tempo, o acompanhamento dos estoques está sendo feito diariamente para que possíveis aumentos de consumo sejam identificados em tempo hábil, de forma a possibilitar contratação extra, caso seja necessária.

O coordenador do Núcleo de Controle de Infecção Hospitalar do IGESDF, Julival Ribeiro, destacou que a criação do comitê tem grande importância, porque centraliza todas as ações necessárias para combater e prevenir o COVID-19.

“Vamos seguir tudo o que for orientado pela Secretaria de Saúde do DF e pelo Ministério da Saúde para atender os pacientes adequadamente, evitar a disseminação e garantir a segurança dos nossos dos profissionais”, ressaltou Ribeiro.

 

Texto: Ailane Silva/IGESDF

Fotos: Davidyson Damasceno/IGESDF