IGESDF: mais de 13 mil atendimentos feitos nas estruturas para dengue


29/04/2020 - 12h47

Foto de arquivo.

Do total de pacientes avaliados, quase metade estava com a doença

De 17 de fevereiro a 28 de abril, 13.018 atendimentos foram realizados nas estruturas especiais para casos suspeitos de dengue, montadas pelo Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (IGESDF). Do total de pacientes atendidos, 6.125 receberam a confirmação de que estavam com a doença.

As unidades que atendem pacientes com suspeita de dengue estão funcionando ao lado do Hospital Regional de Santa Maria (HRSM) e das seis Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), sendo que, no Núcleo Bandeirante, a estrutura deixou de atender casos de dengue e passou a atender exclusivamente, desde 23/3, casos suspeitos da covid-19.

“Essas estruturas montadas pelo IGESDF representam um forte apoio para toda a rede de saúde, porque estão ajudando a retirar a sobrecarga dos serviços”, ressaltou o diretor–presidente do IGESDF, Sergio Costa.

RECORTE MENSAL – No mês de fevereiro, do dia 17 ao dia 29, mês em que apenas duas estruturas tinham sido montadas ao lado das UPAs de Ceilândia e Sobradinho, foram 1.069 atendimentos, sendo 454 positivos. A tenda que mais atendeu nesse período foi a montada ao lado da UPA de Ceilândia, onde foram realizados 570 atendimentos, sendo pelo menos 285 casos confirmados. Na tenda ao lado da UPA de Sobradinho, foram 499, sendo 169 positivos.

No mês de março, do dia 1º ao dia 31, quando mais cinco estruturas foram erguidas ao lado das UPAs do Núcleo Bandeirante, Recanto das Emas, Samambaia, São Sebastião e no Hospital Regional de Santa Maria, foram realizados 5.268 atendimentos, sendo 2.407 casos confirmados. Em março, a tenda que mais atendeu foi a de Ceilândia, com 1.563 consultas e 586 casos confirmados. Em abril, de 1 a 28, foram 6.681, sendo 3.264 casos confirmados.

ESTRUTURA – O modelo de atendimento é similar em todas as tendas montadas pelo IGESDF. São 50 metros quadrados e as estruturas contam com sala de triagem, consultório médico, 10 leitos de hidratação venosa e sistema de ar condicionado. Nos locais, é possível fazer o diagnóstico clínico, teste rápido e teste laboratorial e hidratação dos pacientes.

As tendas contam com médicos, técnicos de enfermagem, enfermeiros, técnicos de laboratório, analistas de laboratório, auxiliares de atendimento e auxiliares de serviços gerais para fazer a limpeza.

O funcionamento é das 7h às 19h, todos os dias e, se necessário, o horário pode ser estendido para 24h por dia.

COMBATE AO AEDES – O engajamento da população é fundamental no combate ao Aedes aegypti. A principal forma de se prevenir contra as doenças transmitidas pelo mosquito é manter o monitoramento constante nas residências, sempre buscando evitar água parada e a proliferação do inseto.

É necessário manter caixas d’água, tonéis e barris de água tampados, fechar bem os sacos plásticos com lixo, manter garrafas de vidro ou plástico sempre com a boca para baixo e encher os pratinhos ou vasos de planta com areia até a borda. Também é preciso limpar as calhas com frequência, evitando que galhos e folhas impeçam a passagem da água.

 

Texto: Ailane Silva/Ascom IGESDF

Fotos: Davidyson Damasceno/Ascom IGESDF