Instituto Hospital de Base fará 20 mamografias digitais por dia


01/11/2018 - 10h53

A partir desta segunda-feira (15/10), o Instituto Hospital de Base (IHB) passa a fazer mamografias digitais em pacientes da rede pública de saúde, utilizando equipamento de última geração, com tecnologia de ponta. O novo mamógrafo é o único digital da rede do Distrito Federal, e irá funcionar de segunda a sábado, das 7h às 19h. Serão atendidos 20 pacientes por dia, enviados por regulação, após consulta na Unidade Básica de Saúde de sua região.
O equipamento digital é computadorizado e totalmente acessível. A altura é regulável e, ao invés de fotos, transmite imagens tridimensionais, diretamente para o prontuário eletrônico do paciente, garantindo que outros profissionais de saúde possam acessar as imagens do exame.

O Chefe da Unidade de Radiologia do IHB, doutor Vinicius de Araujo Gomes, aponta outro diferencial do mamógrafo digital: “ele ainda faz uma pré-avaliação da densidade da mama, antes de realizar o exame com raios X, para que seja aplicada a dose de radiação necessária a cada paciente”, ressalta o médico.
De acordo com o diretor-presidente do IHB, Ismael Alexandrino, o novo mamógrafo digital garante uma imagem mais nítida, com pouco ruído, maior contraste e diagnóstico mais preciso. “A visualização das imagens é rápida e possibilita a otimização do fluxo de trabalho em mamografia. Nossa ideia é chegar a 50 exames por dia, após um mês de adaptação das equipes”, informa o presidente.

A mamografia é um tipo específico de radiografia das mamas capaz de revelar a existência de sinais precoces do câncer de mama, antes mesmo que as lesões sejam palpáveis. O exame ainda pode ajudar a verificar a necessidade de tratamentos intensivos para os tumores e na conservação da mama, caso seja necessário um procedimento cirúrgico.

O exame de mamografia é realizado com um mamógrafo (aparelho de raios X), que comprime a mama, de forma a oferecer imagens de alta qualidade para um diagnóstico mais preciso. A compressão das mamas é necessária para que o exame seja efetivo, e o eventual desconforto que pode gerar é totalmente suportável.

Entre 35 e 40 anos, as mulheres devem realizar o primeiro exame, que servirá de base para avaliar as condições da mama em comparação a exames futuros. Dos 40 aos 50 anos de idade, a frequência da mamografia deve ser determinada pelo médico, de acordo com as condições da mama da paciente. Após os 50, é recomendado que o exame seja feito anualmente.