Projeto Humanizar passa a funcionar à noite nas UPAs


11/02/2020 - 19h41

Primeira-dama Mayara Noronha recebe os 14 novos integrantes do projeto que já começam a atuar nesta quarta-feira (12) nas seis UPAs do DF –

A primeira-dama do Distrito Federal, Mayara Noronha, fez questão de receber pessoalmente, nesta terça-feira (11/02), 14 novos integrantes do Projeto Humanizar, que passará a funcionar no período noturno, das 19h às 7h, nas seis Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) do Distrito Federal, a partir desta quarta-feira (12).

Serão dois monitores para cada UPA, com exceção de Ceilândia, que ficará com quatro profissionais. A cerimônia de boas-vindas ocorreu no Hospital de Base, com a presença do diretor-presidente do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do DF (IGESDF), Francisco Araújo, responsável pela gestão das UPAs.

“Quem procura uma UPA à noite é porque passou o dia inteiro resistindo a ir ao serviço médico, aguardando melhorar o seu estado de saúde por conta própria. Por isso, essas pessoas precisam desse acolhimento quando chegam a uma UPA”, destacou a primeira-dama.

Segundo ela, após a implementação do Projeto Humanizar, em 19 de novembro do ano passado, muitas pessoas têm entrado em contato pelas redes sociais para agradecer. “No início do nosso governo, recebemos muitas críticas em relação ao instituto. Hoje, tenho recebido muitos elogios para todas as unidades geridas pelo IGESDF, sobre o atendimento que está mais rápido. Além disso, muitas pessoas me procuram para perguntar como ampliar o modelo do IGESDF para outros locais”, complementou a primeira-dama, que coordena o projeto.

O diretor-presidente do IGESDF, Francisco Araújo, ressaltou que o recebimento dos novos monitores reforça por parte do governador Ibaneis Rocha, da primeira-dama e do IGESDF, o compromisso com a população do Distrito Federal.

“Essas pessoas que estão aqui, do Projeto Humanizar, tem o compromisso com o próximo. A primeira-dama é a pessoa que teve a ideia de criarmos um projeto para acolher e orientar a população”, ressaltou o gestor, ao lembrar que o próximo passo será distribuir tabletes entre os monitores para que eles tenham um aplicativo com informações para orientar sobre o atendimento adequado para o perfil de cada paciente.

Durante a cerimônia, foi assinada a carteira de uma das novas monitoras. “Eu estava desempregada há um ano e participei dessa seleção focada em atuar nesse novo projeto. Agora, que fui selecionada, minha expectativa é tratar essas pessoas como eu gostaria de ser tratada ao chegar a uma unidade de saúde”, ressaltou Palloma da Rocha, 24 anos, que mora no Itapoã e vai atuar na UPA de São Sebastião.

HISTÓRIA – Sob a coordenação da primeira-dama do DF, Mayara Noronha, o Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do DF (IGESDF) lançou, em 19 de novembro de 2019, no Salão Nobre do Palácio do Buriti, o Projeto Humanizar. A iniciativa visa ao acolhimento humanizado dos pacientes do Hospital de Base, Hospital Regional de Santa Maria e das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs).

A ação tem como base a Política Nacional de Humanização (PNH), do Ministério da Saúde, que tem como proposta a escuta qualificada, a orientação adequada de usuários e acompanhantes, permitindo que todos tenham acesso digno aos serviços de saúde de maneira mais segura e rápida possível.

GESTÃO – O projeto conta com o Conselho de Acompanhamento do Projeto Humanizar, que tem como presidente a primeira-dama Mayara Noronha. O IGESDF investiu na contratação de monitores, devidamente treinados, para atuar no atendimento.

META – O Projeto Humanizar é uma das 15 metas do IGESDF e faz parte do documento Planejamento de Macroprocessos julho/2019/dezembro/2020, que foram apresentadas ao governador Ibaneis Rocha, no início de setembro, e depois encaminhadas à Câmara Legislativa do DF na busca de emendas parlamentares para sua implementação.

 

Texto: Ailane Silva/IGESDF

Fotos: Davidyson Damasceno/IGESDF