Smartphone começará a ser usado no Base para acelerar tratamento de infarto


19/03/2019 - 18h25

Aparelho foi entregue nesta terça (19) para que cardiologistas sejam acionados por UPAs e pronto-socorros para orientá-los sobre as primeiras intervenções

A Unidade de Cardiologia do Hospital de Base recebeu, nesta terça-feira (19), um smartphone que será usado exclusivamente para atender chamados de infarto agudo do miocárdio (IAM). A ideia é que as equipes das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e dos pronto-socorros hospitalares da Secretaria de Saúde do DF acionem os médicos ardiologistas do Base para que determinem o tipo de tratamento, quando chegarem pacientes com suspeita desse diagnóstico.

Edna Marques, cardiologista do Hospital de Base, explica que a ação é um complemento ao Projeto Sprint. A iniciativa já em funcionamento e consiste no uso de tablets que têm um aplicativo que permite a comunicação entre as equipes médicas para discussão do caso clínico, em tempo real, proporcionando o tratamento descentralizado e o mais rápido possível.

“O Distrito Federal já oferece o tratamento de infarto agudo do miocárdio descentralizado. O melhor tratamento é o mais precoce. O paciente com suspeita de infarto deve ir até a UPA ou Emergência mais próxima para o diagnóstico e o tratamento, que pode ser feito no local, sem perda de tempo, evitando sequelas”, disse a médica.

Com o aparelho telefônico, o médico plantonista do Base será acionado para visualizar as informações enviadas pelo aplicativo no tablet. Podem ser cconsulcons histórico do paciente, exames, um questionário que será preenchido no aplicativo e outras informações para definir o tratamento.

Dependendo do resultado da avaliação, será indicado o uso de uma medicação no próprio local onde o paciente está sendo assistido. Em caso contrário, ele será encaminhado para uma das referências cardiológicas, que são os hospitais regionais de Taguatinga e Gama, bem como para o Hospital de Base e Instituto de Cardiologia, que são centros de hemodinâmica (ramo da fisiologia que estuda a circulação do sangue).

ENTENDA – O tablet fica disponível na Sala Vermelha das UPAs e prontos-socorros, local em que os pacientes são atendidos com suspeita de infarto. Quanto mais rápido o atendimento, melhor o resultado para o paciente. No Hospital de Base, há um dispositivo na Unidade de Pronto-socorro e outro na Hemodinâmica.

Em caso de suspeita de infarto, o paciente deve procurar uma das seis UPAs localizadas em Ceilândia, Núcleo Bandeirante, Recanto das Ema, Samambaia, São Sebastião e Sobradinho. Também estão aptos para fazer o tratamento os pronto-socorros hospitalares do Gama, Guará, Sobradinho, Planaltina, Leste, Taguatinga, Ceilândia, Samambaia, Base e Instituto de Cardiologia, que também receberá um aparelho telefônico.

A iniciativa é realizada em parceria com a Secretaria de Saúde do DF, Instituto de Gestão Estratégica e empresas privadas, sem custo para os cofres públicos.

DADOS – No Brasil e no mundo, a maior causa de mortalidade são as doenças cardiovasculares, principalmente, o infarto agudo do miocárdio. No Brasil, em 2017, foram registrados 383.961 casos e, em 2018, mais de 400 mil, segundo dados parciais da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), que tem o registro de mortes por minuto. Neste ano de 2019, segundo o site da SBC, já ocorreram mais de 84 mil casos até esta terça-feira (19).