IGESDF dispobiliza teste SARS-COV-2 para colaboradores


13/05/2020 - 18h00

Ação visa proteger colaboradores e pacientes da propagação do coronavírus

Atento à saúde de toda a população do Distrito Federal, o Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do DF (IGESDF) não deixa de lado o cuidado com os seus colaboradores.

Tendo como sua visão “ser e expandir o modelo de gestão em saúde, ensino e pesquisa que melhor cuida de pessoas no Brasil”, o IGESDF tem trabalhado duro para que a pandemia mundial atinja o mínimo possível do universo de quase nove mil profissionais que compõem a força de trabalho das unidades administradas pelo instituto.

Adotando medidas como teletrabalho e revezamento para que se evite grande circulação de trabalhadores em suas dependências, o IGESDF também tem disponibilizado testes para detecção de SARS-COV-2 nos colaboradores.

De acordo com o diretor-presidente do IGESDF, Sergio Costa, o instituto atua de forma a oferecer o melhor e mais qualificado atendimento para todos os seus públicos.

“Nossa ideia não é apenas tratar os nossos pacientes com excelência, mas também, atuarmos de forma a prevenir o máximo possível de contágios e disseminação do coronavírus entre os nossos colaboradores, justamente para podermos contar com todos os nossos profissionais no enfrentamento da covid-19. Por isso, investimos em equipamentos de proteção individual (EPIs), treinamentos e orientações nas nossas unidades de saúde”, destaca Sergio Costa.

Para os colaboradores, os cuidados do IGESDF fazem a diferença. É o que destaca a enfermeira da UPA de Samambaia, Viviane Barbosa de Brito.

“Aqui na UPA, todos os colaboradores estão sendo testados, com ou sem sintomas. Essa atenção que os gestores estão dando é importante, pois como, basicamente, todos os colaboradores atuam de forma bastante próxima da população e é grande a circulação de pessoas por aqui, nos sentimos mais seguros”, afirma Viviane.

Tão logo haja confirmação de resultado, em casos de profissionais assintomáticos, ou apresentação de sintomas por parte de algum colaborador, há a indicação de monitoramento domiciliar. Passado o tempo definido pelos critérios do Ministério da Saúde como quarentena, uma nova testagem é feita para confirmar a negativação e a volta ao trabalho.

Com essa ação, alguns colaboradores foram afastados, porém, segundo a gerente da UPA de Samambaia, Regilane Ferreira da Fonseca, a medida não gera prejuízos à prestação do serviço.

“As equipes estão compostas da maneira adequada para o atendimento da população. O IGESDF tem atuado de forma a suprir o déficit nos quadros causado pelos afastamentos com convocação e treinamento de equipes temporárias”, explica.

 

Texto: Leilane Oliveira/IGESDF

Fotos: Davidyson Damasceno/IGESDF