Campanha Outubro Rosa é encerrada com centenas de mulheres atendidas


17/10/2020 - 14h16

Ações realizadas pelo IGESDF em parceria com as secretarias da Mulher e da Saúde resultaram em mais de mil consultas, 280 mamografias, além de outros atendimentos

 

A Campanha Outubro Rosa com ações de combate ao câncer de mama foi encerrada, neste sábado (17), pelo diretor-presidente do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do DF (IGESDF), Paulo Ricardo Silva, em solenidade no Hospital Regional de Santa Maria (HRSM). Ele fez um balanço das ações, que ultrapassaram 1,3 mil atendimentos de mulheres realizados durante 17 dias nas seis Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) do DF, no HRSM, no Hospital de Base (HB) e no Ônibus da Mulher, da Secretaria da Mulher, em parceria com a Secretaria de Saúde do DF.

O gestor considerou que a campanha foi um grande sucesso, já que mais de mil mulheres foram consultadas, mais de 280 mamografias foram realizadas no Hospital de Base e no Hospital de Santa Maria e aproximadamente 500 mulheres foram encaminhadas para fazer exames na mama. O Hospital de Base também operou 35 pacientes para retirada do câncer de mama e 20 já fizeram a reconstrução. Houve ainda mais de 50 atendimentos psicológicos.

“Nós queremos conscientizar todas as mulheres para que façam o auto-exame, façam a prevenção e, se perceberem algum nódulo, procurem imediatamente o serviço de saúde. É claro que apesar do Outubro Rosa estar sendo encerrado, as ações de combate ao câncer de mama são permanentes nas unidades de saúde. As mulheres precisam se prevenir”, ressaltou o diretor-presidente.

 

Também presente no evento, a secretária da Mulher, Ericka Filippelli, elogiou as ações e destacou a importância do tema ser tratado de forma conjunta pelos órgãos do governo. “É fundamental enxergar o câncer de mama como uma política transversal, porque a união de esforços em favor da mulher gera muito mais resultados. Alcançamos uma visão integral sobre a mulher”, disse.

A coordenadora da Rede Feminina de Combate ao Câncer, Vera Lúcia Bezerra, ressaltou que o sofrimento das mulheres é muito grande e, por isso, o apoio familiar e do governo são de grande importância. “As mulheres precisam de ajuda, mas também precisam fazer sua parte, fazendo o auto-exame e buscando o atendimento médico não só no Outubro Rosa, mas durante o ano inteiro”, ressaltou.

 

Com o mamógrafo do HRSM em pleno funcionamento, o superintendente de Apoio Operacional do HRSM, Ubiraci Nogueira, afirmou que a unidade zerou a fila de mulheres que aguardavam pelo exame. “Agora, novas mulheres podem ser atendidas”, finalizou.

Após o evento, o diretor-presidente fez ainda uma breve visita no Hospital Regional de Santa Maria e passou por locais como centro cirúrgico, radiologia, laboratório, ambulatório e sala vermelha pediátrica.

 

Texto: Ailane Silva – Ascom/IGESDF

Fotos: Davidyson Damasceno – Ascom/IGESDF