SALVAR VIDAS É O NOSSO COMPROMISSO.

Central de Quimioterápicos do HB já atendeu 800 pacientes

Balanço é do primeiro mês de funcionamento do espaço inaugurado em maio, mês em que foram produzidas 1,9 mil bolsas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Thaís Umbelino

Durante todo o mês de maio, primeiro mês de funcionamento, a Central de Manipulação de Quimioterápicos do Hospital de Base (HB) preparou 1.961 bolsas de medicamentos, segundo balanço desta segunda-feira (7/6). O número permitiu o atendimento de aproximadamente 800 pacientes do HB e do Hospital Regional de Santa Maria (HRSM), ambos administrados pelo Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (IGESDF).

Dos pacientes atendidos, 70% são do Ambulatório de Oncologia e 16% da Hematologia. Os outros 14% representam pacientes da reumatologia, transplantados e imunocomprometidos, que são aqueles cujos mecanismos de defesa contra infecção estão rebaixados.

“A equipe se orgulha dos indicadores alcançados e pelo trabalho proporcionado aos pacientes, especialmente, os oncológicos. Estamos certos de que teremos resultados cada vez melhores”, declarou a farmacêutica Juliana Ribeiro, responsável pelo espaço.

A central funciona diariamente, das 7h às 19h, e conta com cinco farmacêuticos e cinco técnicos de farmácia, que foram devidamente treinados para garantir o manuseio correto dos medicamentos quimioterápicos. As bolsas são produzidas nas duas cabines de segurança biológica da Central de Manipulação, chamadas de capelas.

Além das capelas, a Central de Manipulação de Quimioterápicos também conta com uma área administrativa, composta por três câmaras de conservação de medicamentos refrigerados; uma área de higienização e uma área de manipulação.

Infraestrutura

A Central de Manipulação de Quimioterápicos é composta por uma área administrativa com três câmaras de conservação de medicamentos refrigerados; uma área de higienização e uma área de manipulação, com duas cabines de segurança biológica, as capelas, onde são preparadas as bolsas de medicamentos, individualizada para cada pessoa.

O fluxo de circulação de pessoas é realizado por meio de portas com travamento automático, onde não é possível abrir duas portas ao mesmo tempo. Da mesma forma, para passagem de medicamentos entre as salas foi instalado três cabines de passagem, que possuem o mesmo mecanismo de travamento entre portas.

As cabines de passagem são usadas para deslocamento dos materiais que serão usados para a manipulação das substâncias da sala administrativa para a de higienização. Eles depois são transferidos para a área de manipulação, por meio de outra cabine localizada entre as duas salas.

Para acessar o ambiente onde os quimioterápicos são de fato manipulados, é preciso passar por uma das duas sala de paramentação, onde há equipamentos como lava-olhos e chuveiro de emergência. Isso é necessário, pois o tipo de medicamento manipulado oferece riscos em caso de contato direto.

No espaço, os profissionais de saúde colocam os equipamentos de proteção individual (EPIs), tais como o uso luvas, macacão impermeável, máscara de proteção para agentes químicos, e demais EPIs que vão garantir a segurança dos profissionais e evitar contaminação dos remédios.

Na área de manipulação, há duas cabines de segurança biológica Classe II B2, onde ocorre a manipulação, conhecidas popularmente de capelas. Esses compartimentos oferecem proteção tanto para o manipulador e garantem que a medicação manipulada não seja contaminada. Quando prontas, as medicações retornam à sala administrativa, onde são entregues para o setor demandante.

Veja a galeria:

Edição: Ailane Silva

Atendimento à imprensa
Ascom/Iges-DF
(61) 3550-8810
imprensa@igesdf.org.br

Compartilhe esta notícia pelo:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Nossas redes:

IGESDF | SMHS - Área Especial - Quadra 101 - Brasília - DF | CEP: 70.335-900 | CNPJ: 28.481.233/0001-72