SALVAR VIDAS É O NOSSO COMPROMISSO.

Cigarro aumenta os riscos da Covid-19

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Especialista alerta para maior possibilidade de agravamento dos casos entre pessoas que fazem uso do tabaco

No próximo dia 29 de agosto, celebra-se o Dia Nacional de Combate ao Fumo.

Conhecido inimigo da saúde, sobretudo dos pulmões, o tabaco é um dos fatores que podem contribuir com o agravamento do estado de pacientes acometidos pela infecção do novo coronavírus, causador da covid-19.

“Esses pacientes têm uma reserva pulmonar menor, com maior risco de um desfecho desfavorável. O tabagismo interfere na defesa do organismo, principalmente nos pulmões, tornando-os mais expostos a vírus e fungos”, explica Anderson Belezia, médico-radiologista, coordenador médico e responsável técnico da Diagnose, empresa prestadora de serviços de exames de imagem ao Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (IGESDF).

“Trata-se de pessoas cuja função pulmonar e respiratória já é prejudicada. Desta forma, estão sempre mais suscetíveis e vulneráveis a qualquer tipo de infecção ou doença que represente ameaça aos pulmões, como pneumonias, bronquites e asmas”, declara Belezia.

De acordo com Belezia, o uso crônico do tabaco exerce significativos comprometimentos pulmonares. A doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) é a obstrução da passagem do ar pelos pulmões e decorre tanto da inflamação da via aérea como da destruição do parênquima pulmonar (enfisema), e tem no cigarro seu principal causador.

“Esses fatores, associados à covid-19, são um risco real ao paciente, tendo em vista o ataque promovido pelo novo coronavírus aos pulmões. Então, pessoas tabagistas estão mais sujeitas a desenvolverem as formas mais graves da doença”, alerta.

O tabaco também é um conhecido promotor de neoplasias, ou seja, de processos patológicos. Entre elas, o câncer da cavidade oral, câncer de língua, de garganta e, sobretudo, o câncer de pulmão.

“Esses são os mais comuns entre quem fuma, mas o cigarro é forte aliado dessa doença de modo geral. E o cigarro é uma ameaça silenciosa, que vai mostrar seus malefícios de maneira mais intensa ao longo do tempo”, diz Belezia.

O médico destaca o papel da tomografia no acompanhamento de pacientes com covid-19 e nos diagnósticos de tabagistas.

“Trata-se de um exame melhor e de maior sensibilidade e especificidade, que trará informações mais precisas desses pacientes. O raio-x é uma modalidade mais disponível e também tem sua utilidade comprovada, conforme o caso, entretanto a tomografia promove uma investigação mais completa”, afirma.

Para o diretor-presidente do IGESDF, Sergio Costa, é importante que a data seja lembrada para que se crie uma consciência de combate ao cigarro.

“Nós, como gestores, estamos trabalhando para dar todo o suporte necessário à população. No entanto, é importante que a comunidade faça sua parte”, destaca o presidente.

De acordo com pesquisa da Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) realizada em 2019, o percentual total de fumantes com 18 anos ou mais no Brasil é de 9,8%, sendo 12,3 % entre homens e 7,7 % entre mulheres.

Atendimento à imprensa
Ascom/Iges-DF
(61) 3550-9281
imprensa@igesdf.org.br

Compartilhe esta notícia pelo:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Nossas redes:

IGESDF | SMHS - Área Especial - Quadra 101 - Brasília - DF | CEP: 70.335-900 | CNPJ: 28.481.233/0001-72