Hospital de Base adota novas ferramentas para gestão de leitos hospitalares


12/06/2020 - 17h17

Processo mais moderno vai otimizar tempo e recursos nesse momento de epidemia – 

Gestores do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (IGESDF) participaram, na última quinta-feira, 11, de mais uma etapa do Projeto Todos Pela Saúde, em parceria com a Secretaria de Saúde do Distrito Federal, Mistério da Saúde, Banco Itaú e Hospital Sírio Libanês. Gestão de Leitos e a aplicação do Huddle, uma ferramenta de comunicação, foram os temas abordados. Eles são considerados fundamentais dentro da gestão hospitalar, principalmente, nesse momento de epidemia.

O diretor-presidente do IGESDF, Sergio Costa, entendeu que as informações devem ser tratadas como de “fundamental importância para qualificar as ações e, assim, otimizar os resultados esperados dentro de uma gestão eficiente”.

O diretor afirmou o valor de disponibilizar para as equipes um processo mais moderno de desenvolvimento de gestão de leitos.

“Os debates e diálogos, nessa mesma direção, que têm acontecido com a Secretaria de Saúde, Ministério Público e Judiciário, são, justamente, para a criação de mecanismos que aperfeiçoem o uso dos leitos já implantados e dos outros que estão em processo de instalação. Essa é a única forma de prestarmos assistência qualificada conforme os protocolos criados”, destacou.

O superintendente do Hospital de Base, Weldson Muniz, ressaltou o compromisso e participação da equipe nos debates nesse momento tão crítico que as unidades de saúde estão vivendo pelo advento da covid-19.

“O tempo é crucial, e é preciso usar de forma adequada todos os recursos disponíveis, bem como persistir, sempre, na direção do melhor e mais eficiente atendimento à população”, declarou.

A consultora do projeto Todos Pela Saúde, médica Lilian Mesquita Gomes, expôs sobre Gerenciamento de Leitos com foco na segurança do paciente e garantiu que o acesso ao leito e a satisfação da família traduzem a eficiência do hospital, que é conquistada através da eficácia operacional.

“As linhas traçadas para esse resultado passam pela interface entre todos os profissionais, que lidam com um mesmo paciente, além da comunicação efetiva entre eles, fluxo do paciente e permissão de alta”, explicou.

Foi apresentada também, por vídeo, pelo médico Marcello Pedreira do Hospital Sírio Libanês de São Paulo, a ferramenta Huddle, a ser aplicada no Pronto Socorro, e assim, melhorar o fluxo do paciente dentro da unidade de saúde.

Segundo Marcello, a aplicação da ferramenta consiste em uma reunião, de 10 minutos, pela manhã e à tarde, entre todos os profissionais para fazerem uma avaliação rápida dos pacientes dentro da enfermaria.

“Essa pequena pausa de troca de informações, permite mais qualidade, segurança e evita erros de atendimento ao paciente”, afirma.

 

Texto: Mara Moreira/IGESDF

Fotos: Davidyson Damasceno/IGESDF