Hospital de Base vai realizar mais de duzentos procedimentos cardiovasculares e de hemodinâmica


27/08/2020 - 15h25

Força-tarefa visa reduzir a fila de pacientes do Distrito Federal

O Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (IGESDF), através do Hospital de Base (HB), está realizando, pelas próximas duas semanas, uma força-tarefa para procedimentos cardiovasculares e de hemodinâmica no intuito de atender a demanda do Distrito Federal.

Durante a ação, serão tratadas as lesões arteriais graves para reduzir o risco de mortes, e, ainda, aumentar a desospitalização para mitigar o risco de contágio pela covid-19.

Segundo a chefe da cirurgia cardíaca do Base, Tatiana Maia, a doença cardíaca é a que mais mata pessoas mesmo fora da pandemia. Por isso, a ação deve desafogar a fila de pacientes do Distrito Federal, com atendimento intensivo e personalizado tanto das doenças arteriais coronárias, como das doenças arteriais periféricas.

“Esses pacientes correm riscos ao permanecerem internados. Porém, não podem voltar para casa sem o tratamento, daí a importância da realização desse mutirão que contemplará a desospitalização e a demanda reprimida”, completa.

 

Com um novo equipamento de hemodinâmica, o gerente geral de assistência do HB, Lucas Seixas, conta que o Hospital de Base dobrou a capacidade de atendimento frente às demandas que está recebendo.

“Uma boa medicina salva muitas vidas. Por isso, todo esforço está sendo realizado para dar assistência de qualidade e segurança a todos os pacientes arteriais. As equipes estão trabalhando de forma integrada e colaborativa para que os melhores resultados sejam alcançados”, afirma Lucas.

De acordo com o diretor-presidente do IGESDF, Sergio Costa, o Hospital de Base se reestruturou, nos últimos meses, para dar a melhor resposta aos pacientes dessas especialidades.

“Os setores foram equipados, houve contratação de novos profissionais para a hemodinânica, cardiologia e cirurgiões cardíacos. Então, nossa ideia é que, em conjunto com a Secretaria de Saúde, a força-tarefa seja contínua em todas as áreas onde houver necessidade de reduzir os riscos de vida e o tempo de espera dos nossos pacientes”, destaca o presidente.

PREVISÃO DE ATENDIMENTO – A previsão da força-tarefa é de realizar 22 cirurgias em pacientes já internados, 120 cateterismos e mais de 60 procedimentos terapêuticos, além dos atendimentos diários de infartados, cateterismos cardíacos e neurológicos e os arteriais periféricos. Durante o período da ação, estarão disponíveis seis leitos de retaguarda coronarianos e dois para a hemodinâmica.

 

Texto: Mara Moreira / Agência IGESDF

Fotos: Davidyson Damasceno / Agência IGESDF