SALVAR VIDAS É O NOSSO COMPROMISSO.

Iges-DF realizou mais de 27 mil atendimentos odontológicos na pandemia

Serviços de média e alta complexidade no HRSM e no HB foram prestados com o auxílio de 65 profissionais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Thaís Umbelino

Com a marca de 27.466 atendimentos odontológicos, o Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (Iges-DF) comemora neste sábado (20) o Dia Mundial da Saúde Bucal. O número foi alcançado de 1º de janeiro de 2020 a 28 de fevereiro de 2021.

Apesar da crise sanitária do coronavírus, atenção odontológica não pode parar
Apesar da crise sanitária do coronavírus, atenção odontológica não pode parar

Os serviços são prestados no Hospital de Base (HB) e no Hospital Regional de Santa Maria (HRSM), administrados pelo Iges-DF, por 65 profissionais da área, ao todo.

Somente no ambulatório das unidades foram contabilizados 17.964 atendimentos (5.050 no HB e 12.914 no HRSM). Já no Pronto-Socorro Bucomaxilo, o total foi de 3.134 atendimentos (379 no HRSM e 2.755 no HB), além de 6.098 procedimentos no Pronto-Socorro Odontológico de Santa Maria. Nas cirurgias de alta complexidade, o Hospital de Base fez 270 cirurgias de urgência e eletivas.

Apesar dos desafios contínuos com a pandemia do coronavírus, os auxílios odontológicos não podem parar. É o que afirma o chefe de odontologia do HB, Ricardo de Pádua. “A falta de atendimento de pacientes graves pode gerar consequências irreversíveis, como a evolução de determinadas patologias e infecções”, explica Pádua.

Fluxo de atendimento odontológico

A odontologia no Pronto-Socorro do Hospital de Base e do HRSM é voltada para pacientes em estado grave e com comprometimento dos ossos da face e da cavidade bucal, que precisam de intervenção de emergência ou urgência.

HRSM e HB atendem pacientes odontológicos em estado grave
HRSM e HB atendem pacientes odontológicos em estado grave

O atendimento é feito pela cirurgia bucomaxilofacial, especialidade que trata dos traumas/fraturas, patologias ou tumores benignos, infecções na face e cavidade bucal. “Trata também de deformidades da face”, explica a dentista Thais Turatti.

Para o tratamento de deformidades faciais é demandado mais tempo, segundo a profissional. “O paciente é recebido e preparado pela Ortodontia, para alinhamento dos dentes por meio de aparelho. Só depois que pode fazer a cirurgia ortognática, para corrigir deformidades”, diz.

Além disso, internados no HB e no HRSM contam com a Odontologia Hospitalar e Intensiva, que atua no tratamento dos focos de infecção ou dor e permite ao paciente estabilizar doenças sistêmicas como hipertensão e hiperglicemia.

Na UTI os cirurgiões-dentistas intensivistas têm papel fundamental na remoção dos focos de infecção, no monitoramento da saúde bucal e na retirada do biofilme da placa bacteriana da cavidade da boca. Essa atuação ajuda a evitar pneumonia por ventilação mecânica nos pacientes intubados, no esforço de que bactérias presentes na boca não alcancem os pulmões. “Quando evitamos essa contaminação, o tempo de permanência do paciente na UTI é menor”, explica o dentista Túlio de Lucena.

Exclusivo do HRSM, o Iges também conta com um Centro de Especialidades Odontológicas (CEO), onde são atendidos pacientes em tratamento na atenção básica que necessitam de procedimentos das seguintes especialidades:

● Endodontia (tratamento de canal);
● Periodontia (trata as doenças gengivais);
● Cirurgia bucomaxilofacial (tratamento dos casos mais complexos de tumores benignos, remoção de dentes inclusos);
● Estomatologia (atua no diagnóstico de lesões da cavidade bucal e prevenção do câncer de boca);
● Disfunção temporomandibular (trata os problemas das articulações da mandíbula);
Atendimento PCD (atendimento à pessoa com deficiência que não consegue ser tratada no ambulatório, sendo o HRSM a maior referência no Distrito Federal para esse perfil).

atendimentos odontológicos na pandemia números do Iges-DFJá o Serviço de Radiologia Odontológica do HRSM presta assistência ao hospital, bem como a toda a Região Sul, com exames de imagem e laudos que permitem identificar afecções e agravos do complexo dento-maxilo-facial.

Cuidados odontológicos

Há 40 anos, Anaíde Dalva de Medeiros entende a importância do cuidado com a boca. Isso porque ela faz acompanhamentos periódicos ao longo de todo esse período, para tratar das sequelas de um deslocamento na mandíbula, causado em um acidente de carro. A história teve início quando a mulher tinha 24 anos e morava na Paraíba. “Sofri um acidente de automóvel, e, após a colisão, o pneu de suporte saiu e acabou atingindo a minha nuca”, relembra.

Depois de 10 anos da reparação da mandíbula, já em Brasília, Anaíde começou a sentir dores muito fortes e a não conseguir abrir direito a boca. No Hospital de Base, em 1991, ela descobriu uma disfunção temporomandibular, doença chamada de ATM, e lá recebeu o tratamento necessário. O mesmo problema, porém, retornou no ano passado, e ela precisou voltar ao hospital.

“Cheguei ao Base com apenas 20% de abertura da boca e com fortes dores. Já não conseguia mais segurar alimentos na boca, de tão fraca que ela estava”, relata a paciente.

Após a cirurgia, em 2020, Anaíde continuou sendo acompanhada pela equipe de odontologia do HB, que ofereceu sessões a laser para estimular e fortalecer o músculo da boca ao longo de um ano. Esse cuidado é visto como uma forma de carinho e zelo, segundo a paciente. “Eles estão sempre avaliando minha evolução e acompanhando meu estado de saúde. Sou muito grata por essa atenção”, agradece.

Emergência nas UPAs

Para auxiliar nos atendimentos odontológicos, o Iges conta com o suporte das unidades de pronto atendimento (UPAs) de Ceilândia, São Sebastião e Sobradinho, exclusivamente para atendimentos de emergência. De 1º de janeiro a 28 de fevereiro deste ano, foram prestados cerca de 3 mil atendimentos de emergência.

“São procedimentos que precisam ser resolvidos na hora, como drenagem de abscesso, extração de dente e aplicação de medicações”, explica a gerente da UPA de São Sebastião, Úrsula Naiara. Depois, os pacientes podem ser encaminhados para atendimento em uma unidade de saúde para o tratamento adequado.

Edição: Marina Mercante

Atendimento à imprensa
Ascom/Iges-DF
(61) 3550-8810
imprensa@igesdf.org.br

Compartilhe esta notícia pelo:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Nossas redes:

IGESDF | SMHS - Área Especial - Quadra 101 - Brasília - DF | CEP: 70.335-900 | CNPJ: 28.481.233/0001-72