IGESDF inaugura primeiro Centro de Simulação Realística


18/05/2020 - 12h18

Espaço funciona com equipamentos médicos e bonecos simuladores que reproduzem sinais vitais para capacitar profissionais de saúde 

 

Nesta segunda-feira (18), foi inaugurado o primeiro Centro de Simulação Realística do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do DF (IGESDF). Trata-se de um laboratório inédito instalado no Hospital Regional de Santa Maria que conta com 18  bonecos simuladores que reproduzem  a estrutura biológica e sinais vitais de uma pessoa para treinar profissionais de saúde em um cenário mais próximo da realidade. Instalado em uma sala equipada com aparelhos médicos, o centro conta com uma rede de quatro câmeras que permitem aproximação das imagens e captação de sons que podem ser transmitidos em tempo real e serem armazenados.

 

O investimento de aproximadamente R$400 mil faz parte da lista das 15 metas do IGESDF e sua  inauguração estava prevista para julho de 2020, mas o instituto antecipou o lançamento diante da pandemia da covid-19, já que é necessário fortalecer ainda mais a capacitação dos profissionais de saúde. Os treinamentos devem começar ainda nesta semana.

 

 

“Estamos trazendo um recurso moderno e inédito, que trará um impacto extremamente positivo na rede de saúde. Nós vamos conseguir avançar no aperfeiçoamento dos profissionais de saúde, principalmente, nesse contexto de pandemia, que exige a melhor qualidade assistencial possível”,  ressaltou o diretor-presidente do IGESDF, Sergio Costa, ao destacar ainda que estudos indicam que a aprendizagem de alunos em sala de aula é de 10% e, se tratando de uma simulação, a absorção do conhecimento pode chegar a 70%.

 

O secretário de Saúde do DF, Francisco Araújo, lembrou que mesmo diante da pandemia, os avanços na área da saúde não pararam. “Estamos conseguindo tocar o sistema de saúde e esse centro faz parte das 15 metas que farão uma diferença enorme no sistema de saúde e na vida das pessoas”, ressaltou.

 

O diretor de Inovação, Ensino e Pesquisa do IGESDF, Everton Macedo, reforçou que inaugurar esse laboratório faz parte de um novo conceito desafiador de qualificação inédito na saúde do DF. “Vamos colocar os profissionais em contato com cenários reais. Essa é mais uma ação diante do cenário de pandemia”, disse.

 

Após o lançamento, foi feita uma demonstração de um atendimento de paciente em parada cardiorrespiratória em um dos boneco simulador que permitem treinar uma técnica de alta fidelidade.

ENTENDA – A simulação realística é o mais avançado método de treinamento utilizado principalmente em atividades de risco, com o objetivo de aumentar a segurança dos processos de treinamento. Apoiada por alta tecnologia, reproduz, por meio de cenários clínicos, experiências da vida real. Para tanto, utiliza simuladores, manequins e atores, em instalações que criam um ambiente virtual de atendimento médico com o objetivo de garantir a segurança no processo de capacitação.

 

 

ESTRUTURA – O Centro conta com uma área de 98,16 metros quadrados que tem sala de simulação, cabine de comando e sala de ensino. A simulação é realizada em um espaço fechado, com uma das paredes de vidro. Do lado de fora, possui quatro câmeras de alta fidelidade e microfones modernos instalados na sala que capturam todos os procedimentos. Quem está simulando o atendimento não consegue ver a platéia. Da cabine de comando, equipada com monitores, fones de ouvido e microfones, as orientações são enviadas para a sala de simulação. Na sala anexa, a turma composta por até 15 pessoas, pode ver e ouvir por meio de duas telas que captam as imagens e informações do monitor cardíaco instalado na sala de simulação.

 

 

ATIVIDADES PREVISTAS – O Núcleo de Educação Permanente em Saúde (NUEPE) organizará treinamentos e capacitações para colaboradores das diferentes unidades do IGESDF. Os treinamentos estarão voltados a diferentes setores, incluindo enfermagem, equipe multiprofissional e médica. A expectativa é de que sejam treinados mais de mil colaboradores por ano. As atividades apresentarão de forma gradual ao estudante a proposta de cenários que contemplam desde o treinamento de um procedimento ou habilidade específica, passando por simulações com manequins de alta tecnologia, até cenários de relações interpessoais. No conjunto, essas atividades proporcionam experiências voltadas ao desenvolvimento de capacidades técnicas psicomotoras, cognitivas e afetivas.

 

 

SIMULADORES – Dezoito simuladores foram adquiridos pelo IGESDF, compondo uma completa família de pacientes, desde o modelo recém-nascido até adulto.  Estes simuladores apresentam sinais vitais e um tablet. Entre as habilidades disponíveis para treinamento, estarão punção intraóssea, desfibrilação cardíaca, auscultação e reconhecimento de sons cardíacos, pulmonares, manejo das vias aéreas, entre outros.

 

Texto: Ailane Silva/IGESDF

Fotos: Davidyson Damasceno/IGESDF