Profissionais do Hospital de Base são conscientizados sobre o Setembro Amarelo


17/09/2020 - 11h07

Mês chama a atenção para prevenção do auto-extermínio

Em celebração ao Setembro Amarelo, mês que acende o alerta para a prevenção do suicídio, profissionais do Hospital de Base – HB participaram de uma palestra com foco na prevenção do auto-extermínio. Essa é a terceira vez que a ação – ao ar livre e mantendo o distanciamento – é realizada no HB. Outras unidades já beneficiadas com as palestras são as Unidades de Pronto Atendimento de (UPA) de Sobradinho e Ceilândia, sendo que a UPA do Recanto das Emas será a próxima.

“É fundamental desmistificar o suicídio e falar da importância da valorização da vida e auto-amor. Queremos conscientizar as pessoas de que a vida é importante e esclarecer como são os gatilhos de comportamento suicida”, disse o analista de gestão de Pessoas do Programa Qualidade de Vida no Trabalho, Fábio Gonçalves.

Segundo ele, as orientações do Setembro Amarelo devem ser aplicadas tanto na vida pessoal, quanto social e no trabalho, inclusive para ajudar outras pessoas. “Nesse momento de pandemia, sabemos que estão sendo desencadeados diversos distúrbios psicológicos e comportamentais, causados pelo medo, isolamento, pressão social, esgotamento físico e psicológico, principalmente, para os profissionais de saúde que estão na linha de frente da covid-19”, disse, Fábio Gonçalves.

SUICÍDIO – A estagiária de psicologia, Nathália Cavalcante, explica que suicídio ocorre quando o indivíduo atinge o grau mais extremo de sofrimento emocional, sendo que ela não precisa ter necessariamente histórico de transtorno psicológico. Podem ser um gatilho perder um ente querido ou um bem material, uma demissão, uma frustração, um abuso, um trauma.

“Podemos perceber como primeiro comportamento de auto-extermínio a mudança na fala. Pessoas que dizem que não queriam ter acordado, que têm vontade de se matar, não querem viver. Essa fala precisa ser freqüente”, disse.

Nathália Cavalcante também destaca como outro comportamento a interrupção de atividades que a pessoa gostava muito. “É importante ficar em alerta quando um indivíduo que não visitava ninguém começa a reencontrar parentes ou pessoas importantes, como se estivesse fazendo uma despedida silenciosa”, acrescentou.

Uma dica para quem está passando por algum momento difícil é procurar um profissional de saúde. Outra dica é buscar apoio do Centro de Valorização da Vida (CVV), ligando no telefone 188. O CVV realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo por telefone, email e chat 24 horas todos os dias.

Os trabalhadores do IGESDF podem receber apoio psicológico. Basta procurar o Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho.

 

Texto: Ailane Silva/IGESDF
Fotos: Thamara Amorelli/ IGESDF