Saúde paga R$ 101 milhões ao Iges-DF por gastos contra a covid-19


29/10/2020 - 20h58

Com os recursos da indenização, o instituto poderá quitar dívidas com fornecedores, normalizar os estoques de medicamentos e agilizar cirurgias eletivas

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) transferiu, nesta quinta-feira (29), R$ 101 milhões ao Instituto de Gestão Estratégica de Saúde (Iges-DF), como ressarcimento por despesas referentes a compra de medicamentos e produtos médico-hospitalares usados no combate à pandemia do coronavírus. Outros R$ 36 milhões deverão ser pagos ainda nas primeiras semanas de novembro, assim que for concluída auditoria feita pela SES nas outras contas apresentada pelo Iges.

Com o recebimento desses recursos, o Iges poderá regularizar o pagamento às empresas fornecedoras de remédios e materiais médico-hospitalares, que foram adquiridos para atender pacientes contaminados pela covid-19. Pagando os fornecedores, os estoques serão normalizados, o que permitirá ao Iges-DF intensificar as cirurgias eletivas e assegurar o tratamento de pacientes que precisam usar medicamentos de quimioterapia.

Foto: Breno Esaki/Saúde-DF
Com o repasse, o Iges pode normalizar os estoques de medicamentos em suas unidades

O pagamento dos recursos foi anunciado pelo secretário de Saúde, Osnei Okumoto, e confirmado pelo presidente do Iges-DF, Paulo Ricardo Silva. Segundo Okumoto, o pagamento dos R$ 101 milhões foi feito de acordo com os trâmites jurídicos normais, mas em tempo hábil para que o Iges não deixasse de prestar os serviços. Os outros R$ 36 milhões, conforme ele, também serão repassados assim que forem concluídas as análises das contas apresentadas pelo instituto.

Vencendo barreiras

Okumoto ressaltou que “esses investimentos foram feitos pelo instituto num momento crucial de enfrentamento do novo coronavírus, em plena pandemia da covid-19, e que certamente ajudaram a salvar vidas e a diminuir o sofrimento de milhares de pacientes”. Segundo o secretário, “esse ressarcimento fará justiça ao trabalho realizado e ajudará o Iges-DF a ajustar suas contas e a recuperar suas atividades plenamente”.

Para a secretária-adjunta de Saúde, Beatriz Gauterio Lima, a liberação desse ressarcimento, em curto espaço de duas semanas, “é uma vitória dessa gestão e comprova o empenho e a capacidade dos servidores da Secretaria de Saúde e da Secretaria de Economia, que se dedicaram intensamente para destravar esse processo”.

Compromisso

O presidente do Iges-DF, Paulo Ricardo Silva, informou que assim que o instituto recebeu os recursos começou a pagar os fornecedores. Alguns já receberam, outros vão receber tão logo sejam auditadas pela Comissão de Acompanhamento do Contrato de Gestão da Secretaria de Saúde, as despesas apresentadas pelo Iges sobre os gastos com os fornecedores. Paulo Ricardo ressaltou ainda que esse ressarcimento está amplamente amparado pela legislação que criou o Iges-DF em 2018.

Lembrou também que, na última terça-feira (27), em reunião com representantes da Associação das Empresas do Segmento Médico-Hospitalar e Laboratorial do DF (Assemedh/DF), anunciou que o Iges-DF honrará todos os compromissos assumido com os fornecedores. “Estamos vivendo hoje um novo momento com relação à transparência e com o nosso compromisso de arcar com todas as obrigações assumidas, fazendo os pagamentos de forma regular”, reforçou. “Esse é novo marco da nossa gestão”.

Para ele, manter uma boa relação com os fornecedores é de grande importância para que os insumos não faltem nas unidades hospitalares, bem como para que o instituto tenha melhor poder de negociação, o que gera, inclusive, economia para os cofres públicos.

Ações para salvar vidas

No combate ao coronavírus, o Iges-DF destinou mais de 360 leitos para paciente infectados e contratou 1.701 profissionais temporários, entre médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem. Também foram feitas adequações físicas e aquisições de bens e serviços.

Além disso, o instituto adquiriu reagentes e insumos para realização de testes de bioquímica, enxoval hospitalar, equipamentos de proteção individual (EPIs), mobiliário e equipamentos para suporte em leitos de UTI. Outra ação foi a capacitação de mais de 10 mil profissionais para atendimento de pacientes com o diagnóstico da doença.

Foto: Breno Esaki/Saúde-DF