Secretaria de Saúde prorroga campanhas contra a poliomielite e multivacinação


29/10/2020 - 18h31

Agora, os pais terão até o dia 27 de novembro para levar seus filhos às salas de vacinação instaladas em todas as cidades do DF

A Secretaria de Saúde (SES) decidiu hoje (29) prorrogar as campanhas de vacinação contra a poliomielite e a multivacinação, que seriam encerradas nesta quinta-feira e que agora vão continuar até o dia 27 de novembro. A decisão foi tomada porque a SES quer chegar o mais próximo possível da meta de vacinação do Ministério da Saúde, que no caso da poliomielite é de 95% do público-alvo, e ampliar o número de crianças e adolescentes que precisam receber alguma das vacinas destinadas à população infanto-juvenil.

No Distrito Federal, até hoje foram vacinadas contra poliomielite 64.551 crianças, o que representa 40% das 160 mil crianças entre um a cinco anos de idade que precisam tomar a vacina. No caso da multivacinação, compareceram às salas de vacinação 129.925 crianças e adolescentes, das quais 84 mil tiveram que tomar as vacinas que faltavam, o que representa 64% do total do público que procurou os postos.

Foto: Erasmo Salomão/MS
O DF vacinou até agora 64.551 crianças, o que representa 40% do público alvo

A maior cobertura contra a poliomielite, até esta quinta-feira, foi o público de dois anos a três anos de idade incompletos, com 16.713 vacinados (43,2%). A menor cobertura ficou entre as crianças entre um ano e dois anos incompletos: 16.017 vacinados (35,9%).

A Secretaria de Saúde informou ainda que, como sexta-feira (30) será ponto facultativo nos órgãos do GDF e diante do feriado do Dia de Finados na segunda-feira (2 de novembro), as salas de vacina não funcionarão entre esses dias. Na terça-feira (3), o funcionamento das unidades volta ao normal.

DF LIVRE DA PÓLIO

O secretário de Saúde, Osnei Okumoto, reforça a necessidade de manter as crianças imunizadas contra a poliomielite. “Lembramos que a doença não é registrada desde 1987 no DF”, destacou Okumoto. “O DF já recebeu a certificação de área livre de circulação do poliovírus, uma conquista que precisa ser preservada porque significa saúde das nossas crianças e preservação de vidas”.

Para a gerente de Imunizações da SES, Renata Brandão, a pandemia fez com que muitos pais não levassem os filhos às salas de vacinação. Ela garante que esses espaços oferecem total segurança, uma vez que foram devidamente preparados para receber crianças e adolescentes nesses tempos de coronavírus.

Foto: Erasmo Salomão/MS