UPAs implantaram com êxito projeto Lean para melhorar atendimento


29/09/2020 - 20h02

Essa é conclusão da primeira etapa da iniciativa promovida pelo Ministério da Saúde

Após seis meses de trabalho, as seis Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) do Distrito Federal implantaram com êxito o projeto Lean, uma iniciativa do Ministério da Saúde com o objetivo de melhorar o fluxo de atendimento dos pacientes, reduzindo o tempo de espera e aumentando o número de atendimentos. O projeto teve início em 31 de março no DF e também em UPAs dos estados do Ceará, Goiás, São Paulo e Maranhão.

Desenvolvida em parceria com a Universidade Federal Fluminense (UFF), do Rio de Janeiro,  a implantação do Lean trata-se da primeira etapa e consiste em  uma estratégia criada para capacitar profissionais de saúde para executarem melhor os processos de trabalho e organizarem os fluxos, tornando o atendimento aos pacientes mais ágil, a partir do momento do acolhimento, da classificação de risco, até finalização do atendimento.

“O desempenho de Brasília para implantar o projeto foi maravilhoso, com várias experiências exitosas. As UPAs cumpriram bem essa etapa de capacitação, tutoria e colocaram a mão na massa para implementar diversas boas práticas e processos robustos de melhorias”, elogiou o coordenador do Projeto Lean nas UPAs, Robison Calado.

O secretário de Saúde, Osnei Okumoto, destacou que o projeto é fundamental, já que consiste em ensinar metodologias de gestão para melhorar os fluxos, com agilidade e qualidade, permitindo aos profissionais de saúde que estão na ponta tomadas de decisão mais eficientes. “As UPAs são peças fundamentais na rede de saúde e quanto melhor a organização dos fluxos, menor será o tempo resposta dos serviços prestados à população”, destacou, ao enfatizar que o projeto antes só era realizado a nível de hospitais e só foi implantado nas UPAs graças ao esforço das equipes.

Durante todo o período, as UPAs contaram com visitas técnicas de representantes do Ministério da Saúde e, agora, serão monitoradas por mais seis meses para verificação dos resultados alcançados.

“Não podemos deixar de lembrar que o SUS está completando 30 anos de existência, oferecendo ao cidadão o acesso a um sistema de saúde gratuito e o Lean é resultado do SUS”, destacou a superintendente da Unidade de Atenção Pré-Hospitalar, Nadja Vieira.

PARTICIPAÇÃO – No total, 50 UPAs do Brasil participam da iniciativa. Elas foram escolhidas a partir da situação epidemiológica dos estados, além de alguns critérios essenciais de elegibilidade como a estrutura, governança institucional e características da emergência com a prioridade estratégica.

Três metas devem ser cumpridas durante a execução do Lean, que são o apoio ao desenvolvimento de habilidades organizacional e assistencial, o apoio ao uso de ferramentas e na condução de equipes para mudanças e reorganização de processos, além do monitoramento e apresentação dos resultados.

Após a primeira etapa de implantação, será iniciada a fase de acompanhamento das ações implementadas pela equipe do projeto Lean. Será feita análise de dados e se as unidades estão mantendo as melhorias.

Texto: Ailane Silva/IGESDF

Fotos: Davidyson Damasceno/IGESDF